Wednesday, August 10, 2005

O fim do horizonte

Quando chove na praia as crianças aborrecem-se em casas arrendadas à quinzena. Passeamos em estradas que cruzam serras áridas, terras de onde as gentes e as casas desertaram. As crianças lêem as placas sem acreditar: Falacho, Odelouca, Aldefara. Repetir nomes destes entristece-as e eu vou com elas. Alguém devia contar, nesta curva, a história do cativeiro das princesas mouras.
Ao fim do dia o céu e o mar têm exactamente o mesmo tom cinzento que apagou o horizonte.
Num lugar assim, sem contornos físicos, imponderável, em qualquer momento posso desaparecer.

3 Comments:

Blogger cbs said...

Veste cores garridas.
Pra não desapareceres na cinza dos dias.
E fica bem ;)

12:02 PM  
Blogger Villa said...

Quando chove, passeamos. As casas desertaram. As crianças lêem "Odelouca" e eu vou com elas. Alguém devia contar a história que apagou o horizonte num lugar assim. Nesta curva, sem contornos físicos, ao fim do dia, posso desaparecer do cativeiro das princesas mouras.

9:27 PM  
Blogger petrus said...

Conta-lhes.

8:01 PM  

Post a Comment

<< Home